sábado, 11 de abril de 2015

Apple terá emoji com saudação do Spock, de 'Jornada nas Estrelas'


Imagens estarão nos novos sistemas da empresa, atualmente em testes.

Ator que imortalizou o personagem, Leonardo Nimoy, morreu em fevereiro.

Imagens dos vários emojis da saudação do Spock, de 'Jornada nas Estrelas', já com os vários tons de cor. (Foto: Divulgação/Emojipedia)Imagens dos vários emojis da saudação do Spock, de 'Jornada nas Estrelas', já com os vários tons de cor. (Foto: Divulgação/Emojipedia)
Depois de adicionar novos tons de pele aos seus emojis e ampliar o número de símbolos de bandeiras, a Apple levará seu conjunto de imagens animadas a um lugar aonde nenhum homem foi antes. O símbolo da saudação do Spock, de “Jornada nas Estrelas”, (o “V” com os dedos da mão) se tornou um emoji e estará disponível nas próximas atualizações dos sistemas operacionais da companhia, o OS X e o iOS.
O símbolo está presente nas versões de teste do OS X 10.10.3, que roda em seus Macs, e o iOS 8.3, para iPhones, iPads e iPods, segundo o site “Emojipedia”, que compila as novidades nos teclados de emojis.
Por enquanto acessível somente a desenvolvedores, os sistemas não têm data para chegar às mãos dos consumidores, mas isso deve ocorrer em breve.
A introdução do símbolo que pode parecer uma homenagem póstuma ao ator que imortalizou a frase “Vida longa e próspera”, Leonard Nimoy,morto aos 83 anos, em 27 de fevereiro deste ano. A causa da morte foi o estágio final de uma doença pulmonar crônica obstrutiva.
Trata-se, porém, de uma novidade já anunciada ainda no meio do ano passado, quando a Unicode Consortium liberou 250 novas imagens. Apesar de a entidade que cria padrões de símbolos e caracteres para empresas de tecnologia implementar alterações, a introdução delas, no entanto, fica a cargo de cada companhia.

sexta-feira, 10 de abril de 2015

Sucuri pré-histórica tinha mais de 10 metros e pesava 1 tonelada

Pesquisadores do Museu de História Natural da Flórida estão montando um novo fóssil de Titanoboa, a maior cobra que já existiu (até onde sabemos). Crocodilo de 5 metros que conviveu com ela ganhou nome de personagem de “O Senhor dos Anéis”.

Ilustração da Titanoboa e outros animais que conviveram com ela. Crédito: Jason Bourque/UF
Ilustração da Titanoboa e outros animais que conviveram com ela. Crédito: Jason Bourque/UF
Se você é daquelas pessoas que tem de medo de cobra, não importa o tamanho, sugiro evitar qualquer viagem no tempo para os pântanos da Colômbia de 60 milhões de anos atrás.
Imagine uma cobra gigantesca, com mais de 10 metros de comprimento e 1 tonelada, capaz de engolir bichos do tamanho de um Fusca … Assim era aTitanoboa cerrejonensis, ou “sucuri titânica de Cerrejón”, que se esgueirava por aquela região no início do Paleoceno, alguns milhões de anos após o cataclisma que varreu os dinossauros da face da Terra (com exceção de uma linhagem, que deu origem aos pássaros).
Os primeiros fósseis dessas cobras gigantes (as maiores de que se tem registro) foram desenterrados cerca de dez anos atrás e descritos num artigo científico em 2009, na revista Nature, com base numa coleção de fragmentos de ossos de 28 indivíduos, ou espécimes — o maior dos quais, segundo os pesquisadores, tinha cerca de 13 metros de comprimento e pesava mais de 1,1 mil quilos.
Agora, pesquisadores estão juntando as peças de um novo espécime, muito mais completo e escavado da mesma região da Colômbia entre dezembro de 2011 e janeiro de 2012, que poderá revelar novos detalhes sobre a biologia desses “monstros” pré-históricos.
Os novos fósseis estão sendo preparados no departamento de paleontologia de vertebrados do Museu de História Natural da Flórida, que fica dentro da Universidade da Flórida (UF), em Gainesville. Os ossos, meticulosamente limpos um a um, para libertá-los de milhões de anos de sedimento incrustado, estão separados em caixas sobre uma mesa, como peças de um grande quebra-cabeça pré-histórico, que os pesquisadores vão montar para recriar como era esse animal na vida real.
As pesquisas são desenvolvidas em parceria pelo museu da UF e o Smithsonian Tropical Research Institute (STRI), que também faz escavações paleontológicas nos sítios de ampliação do Canal do Panamá.
O diretor de coleções de Paleontologia de Vertebrados do Museu de História Natural da Flórida, Richard Hulbert, mostra os ossos do novo fóssil de Titanoboa para um visitante. O museu permitiu que eu fotografasse a sala de preparação, porém sem mostrar detalhes do fóssil, que ainda não foi publicado. Crédito: Herton Escobar/Estadão
O diretor de coleções de Paleontologia de Vertebrados do Museu de História Natural da Flórida, Richard Hulbert, mostra os ossos do novo fóssil de Titanoboa para um visitante. O museu permitiu que eu fotografasse a sala de preparação, porém sem mostrar detalhes do fóssil, que ainda não foi publicado. Crédito: Herton Escobar/Estadão – 24/3/2015
Extrair fósseis de uma região tropical como o norte da Colômbia não é tarefa fácil, porque as camadas internas do solo não afloram e ficam expostas na superfície, como ocorre nas regiões mais áridas, onde a paleontologia é mais comumente praticada. Em vez disso, ficam escondidas sob toneladas de terra úmida e vegetação, que não podem ser removidas com tanta facilidade.
Os ossos de Titanoboa, assim como de vários outros animais enormes daquela época, só voltaram a ver a luz do dia porque existe uma grande operação de mineração de carvão em Cerrejón, que abre valas imensas no solo e permite aos cientistas chegar até os fósseis.
Um desses outros “monstros” que conviveram com a Titanoboa foi um crocodilo de quase 5 metros e mais de 400 quilos, batizado de Anthracosuchus balrogus, descrito recentemente na revista Historical Biology. O nome da espécie, para se ter uma ideia do tamanho do bicho (e do lado nerd da biologia), faz uma “homenagem” ao demônio Balrog, que derrota o mago Gandalf nas minas de Moria em O Senhor dos Anéis, de J.R.R Tolkien.
Vai ser interessante ver quantos outros bichos incríveis e assustadores ainda vão surgir das profundezas das Minas de Cerrejón. Detalhe: A Titanoboa cerrejonensisera grande o suficiente para engolir o Anthracosuchus balrogus num dia de fome. Já o Balrog da Terra Média de Tolkien, nunca saberemos. Imagine só!
Aldo Rincon, aluno de doutorado no Museu de História Natural da Flórida, mostra o crânio que foi usado para descrever o crocodilo Anthracosuchus balrogus, que conviveu com a Titanoboa em Cerrejón 60 milhões de anos atrás. Foto: Herton Escobar/Estadão - 24/3/2015
Aldo Rincon, aluno de doutorado no Museu de História Natural da Flórida, mostra o crânio que foi usado para descrever o crocodilo Anthracosuchus balrogus, que conviveu com a Titanoboa em Cerrejón 60 milhões de anos atrás. Foto: Herton Escobar/Estadão – 24/3/2015
Jason Bourque, um dos pesquisadores que descreveu a Titanoboa, trabalha com pequenas vértebras de outras cobras escavadas em Cerrejón. O sedimento incrustado nos ossos precisa ser retirado com extremo cuidado, para não danificar os fósseis. Foto: Herton Escobar/Estadão
Jason Bourque, um dos pesquisadores que descreveu a Titanoboa, trabalha com pequenas vértebras de outras cobras escavadas em Cerrejón. O sedimento incrustado nos ossos precisa ser retirado com extremo cuidado, para não danificar os fósseis. Foto: Herton Escobar/Estadão
Mesa com fósseis de Titanoboa. Foto: Herton Escobar/Estadão - 25/3/2015
Mesa com novos fósseis de Titanoboa. Foto: Herton Escobar/Estadão – 25/3/2015

Esta reportagem da Smithsonian Magazine conta em detalhes a história da descoberta da Titanoboa e inclui vários links para material multimídia sobre a cobra: http://goo.gl/ZiDTGd
Fonte: http://ciencia.estadao.com.br/blogs/herton-escobar/sucuri-pre-historica-tinha-mais-de-10-metros-e-pesava-1-tonelada/

quarta-feira, 8 de abril de 2015

Andrea_Ramal: Impressões sobre a entrevista coletiva do novo ministro da Educação, Janine Ribeiro

 Andrea_Ramal: Impressões sobre a entrevista coletiva do novo ministro da Educação, Janine Ribeiro 




O ministro da Educação Renato Janine Ribeiro
A entrevista coletiva do recém empossado ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, ocorrida nesta segunda-feira (6), permite formar uma primeira impressão sobre seus planos e o modo como pretende conduzir o ministério.

O ministro se mostrou bastante realista. Ao contrário de alguns de seus antecessores, não trouxe ideias mirabolantes e foi cauteloso. Por exemplo, ao ser questionado sobre o Enem on-line, afirmou que a experiência só seria testada no futuro. Opção acertada: antes, há que considerar segurança digital, banco de perguntas e até a logística das máquinas. Não se pode improvisar num exame que atinge oito milhões de candidatos num país de dimensões continentais.
Além disso, Janine Ribeiro sugeriu a necessidade de diálogo entre universidades e educação básica. Em boa hora: não é de hoje que os professores do ensino superior se queixam da “falta de competências mínimas” dos alunos que recebem. Por outro lado, o conhecimento produzido na academia quase não chega à escola para impulsionar mudanças. Muitas vezes, os pesquisadores desconhecem os desafios que os professores vivem. O diálogo entre esses dois mundos seria enriquecedor e transformador para ambas as partes.
Um momento significativo da coletiva foi a proposta de formar, a partir da educação, uma cultura de paz. Existem algumas iniciativas nesse sentido, em algumas escolas, ainda isoladas. A educação para a paz precisa estar ancorada em políticas públicas, num projeto capaz de promover os valores e atitudes necessárias para alcançar uma cultura de paz no país, entendida como viver em harmonia consigo, com os demais e com o meio ambiente. Esse modelo é fundamental para reduzir os índices de violência doméstica e urbana.
Parece promissora a ideia de que o MEC ajude os municípios a enfrentar juntos os desafios comuns. O exemplo foi o da seleção unificada de professores, coordenada pelo Inep, mas deveria aplicar-se a outros pontos. Na educação brasileira, gasta-se muito reinventando a roda, começando do zero projetos que outros já testaram. É preciso estimular a troca de experiências entre as Secretarias, implantar as melhores práticas. Isso é fazer mais com menos.
Faltou certa autocrítica ao falar do próprio MEC. Não há como aceitar a visão de que se dará continuidade a algo que “vem sendo feito”. Nos últimos anos, avançou-se só em quantidade e o ministro, com certeza, sabe disso muito bem. Dele, a sociedade exige a tão esperada guinada da qualidade. Como fará isso?
Embora tenha falado em poupar recursos, ainda assim Janine Ribeiro foi taxativo ao afirmar que será necessário “muito dinheiro” – por exemplo, para implementar a escola em tempo integral. Pode ser apenas uma primeira impressão, mas a entrevista deixou a ideia de um gestor que não poupará o governo se não receber os recursos necessários – até porque sabe que também não será poupado pela sociedade se não tirar o lema da “pátria educadora” do papel.

Fonte: http://g1.globo.com/educacao/blog/andrea-ramal/post/ministro-janine-ribeiro-espera-fazer-mais-com-menos.html


Impressões sobre a entrevista coletiva do novo ministro da Educação, Janine Ribeiro

terça-feira, 7 de abril de 2015

I Olimpíada Brasileira de Geografia

OBG - I Olimpíada Brasileira de Geografia


A I Olimpíada Brasileira de Geografia (OBG) é uma olimpíada científica para estudantes das escolas públicas e particulares do Brasil, desde o 9° ano do Ensino Fundamental até o 3º ano do Ensino Médio.
OBG - I Olimpíada Brasileira de Geografia 
Inscrições: estão abertas até o dia 30 de Abril de 2015
OBG - I Olimpíada Brasileira de Geografia

segunda-feira, 6 de abril de 2015

Professor Resíduo


Máfia do Lixo
 

NEWSLETTER
PROFESSOR
RESÍDUO

ANO 1
Siga o Site Máfia do Lixo no Twitter


Prof. Resíduo se 'movimenta' e ganha 'vida própria'

Estrategicamente, o site Professor Resíduo Sólido do Brasil precisava de uma ferramenta de diferenciação para auxiliar o objetivo de estabelecer uma maior identificação com o seu público-alvo.

Entendemos que a educação é a base de tudo. Somos hoje mais de 204 milhões de pessoas no Brasil.

Então criamos um "gimmick", um ícone, e o denominamos "Prof. Resíduo", que se "movimenta" e tem "vida própria". O Prof. Resíduo é "Mestre em Resíduo". Ele nasceu com a "medalha" no peito.

Destinado a viabilizar vida e dinamismo ao que representa, o gimmick Prof. Resíduo transmite "valores" e institui um "rosto" ao principal benefício da proposta do site Professor Resíduo Sólido do Brasil.

O Prof. Resíduo vai viajar de norte a sul, de leste a oeste do Brasil. Fará parte da vida de todos nós. Crianças, jovens e adultos vão se surpreender com o personagem.

O Brasil possui 5.570 municípios. E milhares de cidades brasileiras ainda possuem lixão. Dá para acreditar? E são essas cidades, aquelas que possuem lixão, que terão a presença do Prof. Resíduo. Sua participação é importante para acabar com os lixões no Brasil.


A internet, o rádio e a televisão vão estar no dia a dia do Prof. Resíduo. Por meio desses veículos de comunicação, o Prof. Resíduo vai chegar a todos os municípios do Brasil.

E a cada dia que passa, de ponta a ponta do Brasil, quando o Prof. Resíduo estiver presente em uma cidade brasileira, esse personagem vai conceder a "medalha" do "Mérito em Resíduo" a quem promover um ato pela defesa do meio ambiente, da sustentabilidade, ou ainda, "destinar os resíduos" corretamente, sejam esses locais, um cesto de lixo ou mesmo um aterro sanitário e centros de tratamento de resíduos sólidos.

Conheça o personagem. Visite o site Prof. Resíduo no endereço www.profresiduo.com/
Claro realiza campanha de incentivo ao descarte consciente do lixo eletrônico

A operadora Claro, por meio do Claro Recicla, programa de coleta e reciclagem de celulares, e do Claro Clube, programa de relacionamento da operadora, lança nova promoção para incentivar as pessoas a descartarem de forma correta os celulares e baterias fora de uso.

Até o dia 31 de maio, os clientes Claro Clube Pós que depositarem o material nas urnas do Claro Recicla podem ganhar até 1.000 pontos no programa.

Se o cliente pós-pago descartar um celular completo (aparelho e bateria), ganha 200 pontos. Se for um celular sem bateria ou apenas uma bateria de celular, ganha 100 pontos. A pontuação é limitada a 1.000 durante a vigência da campanha, independentemente da quantidade entregue.

A promoção é válida somente para clientes Claro Clube Pós; porém, os consumidores de outras operadoras também podem depositar o material obsoleto de qualquer fabricante nas urnas coletoras da companhia.

São cerca de 2 mil pontos de coleta do Claro Recicla, instalados em lojas próprias e agentes autorizados em todo o Brasil. Para participar, basta ir até uma loja e se identificar como cliente Claro Clube Pós.

A pontuação, válida por 24 meses, será creditada imediatamente e poderá ser trocada por bônus para a compra de vários produtos como celulares, tablets, modems e pacotes de minutos ou créditos. O meio ambiente agradece.
Agência Espacial Européia irá usar redes gigantes para limpar lixo espacial

A Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) irá enviar, em 2021, uma missão de limpeza de resíduos espaciais da órbita da Terra. Estima-se que 20 mil peças de entulho espacial estejam flutuando na órbita terrestre.

Nesta semana, ESA anunciou como pretende fazer essa faxina: a agência irá usar uma gigantesca rede para capturar satélites desativados ou módulos de foguetes.

Na semana passada, a agência testou o método, em condições reduzidas. Dentro da cabine de um avião que voava em arcos parabólicos para criar curtos períodos de gravidade zero, as redes eram disparadas por meio de um canhão de ar comprimido. O alvo era a réplica de um satélite, no centro do cockpit.


Uma preocupação dos engenheiros era a resistência do material da rede. Os engenheiros não tinham certeza se a rede conseguiria envolver o modelo usado na experiência. Quatro pesos foram colocados nas pontas da rede, para garantir que o satélite fosse embalado. Mas os resultados foram animadores.

"A boa notícia é que elas funcionaram extremamente bem. Tanto que as redes precisaram ser cortadas com uma faca para que pudessem ser disparadas de novo", afirma Kjetil Wormnes, engenheiro da ESA.

A ESA também considera usar outras tecnologias na missão, como um braço robótico, um canhão de íons e um arpão. Mas a rede é a opção preferida dos engenheiros.

"A principal vantagem da rede é o fato dela poder capturar um grande numero de alvos, com formas e rotações diferentes", diz Kjetil. 

http://www.profresiduo.com
2015 © Todos os direitos reservados
---

domingo, 5 de abril de 2015

EaD - O que é tendência hoje?

Se você chegou até aqui é porque, como nós, gosta do que faz e quer se aprimorar no mundo da educação. Eu sou Aline, e vou trazer para você assuntos relacionados a produto, usabilidade e design. Neste primeiro post quero mostrar quais os tipos de produtos mais conhecidos hoje no mercado. Vamos lá?
Scorm – existem 2 tipos de pacotes scorm: os em flash (que já estão um pouco ultrapassados, na minha opinião) e os em html, que tem se mostrado tendência no mercado atual.
Vídeo – os vídeos são os queridinhos da ead desde seus primórdios no telecurso 2000 até hoje. São ferramentas poderosíssimas.
Atividades – estas podem estar dentro do seu LMS. Podendo ser um questionário, ou até mesmo dentro do seu pacote scorm.
Livros Digitais – podem ser feitos em pdf, para que o aluno acesse de dentro da plataforma ou baixe-os. Podem ser epubs (revistas digitais ideais para ler em dispositivos móveis) ou até mesmo o famoso fólio, produzido pelo Indesign.
Slides – slides são bem comuns. Normalmente, acompanham uma vídeoaula.
Chat – chats são ferramentes essenciais para a comunicação dentro do LMS do aluno com tutor.
Streaming – são vídeos ao vivo.

Fiquem antenados porque durante as semanas faremos reviews de softwares conhecidos e utilizados no mercado. Traremos também dicas sobre a construção de conteúdos e customização de LMS. E muito mais!